Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Patrícia Lobo

Net Book Club | Acabadora

19.05.19 | Patrícia Lobo

2621E37C-53A8-4236-90F1-C562E63424BE.JPG

 

No mês passado, a Cláudia do blog A Mulher Que Ama Livros decidiu mudar as regras do Net Book Club, pois nem ela própria se sentia motivada com o rumo que o clube estava a tomar. Aconteceu então a fusão do seu projecto Do Quarto Para o Mundo com o Net Book Club. Todos os meses, os participantes votam num de dois países previamente escolhidos, no Instagram, e lemos um livro de um autor desse país, também já pensado pela Cláudia. Para o mês de Maio, o país escolhido foi Itália e o livro Acabadora*, da Michela Murgia.

 

Em Acabadora*, Maria é a quarta filha de Anna Teresa Listru, viúva sem dinheiro para sustentar toda a família. Anna Teresa decide entregar Maria como "filha da alma" a Ti Bonaria, uma senhora muito respeitada pelos habitantes da pequena vila onde moram, na Sardenha. Maria cresce no meio de oportunidades que Bonaria lhe oferece, como ir à escola e aprender o ofício de costureira.

No entanto, curiosa por natureza, estranha as ausências noturnas da sua "mãe da alma". O que todos sabem, expecto Maria, é que a Ti Bonaria é a acabadora. É a pessoa que ajuda os que não querem mais viver ou sofrer a morrer. Quando Maria descobre, a sua vida muda por completo.

 

A autora conseguiu criar duas personagens brilhantes, Maria e Ti Bonaria, e recriar uma autêntica pequena vila que me fez lembrar a aldeia onde morei e a minha avó paterna, que por ser filha de uma família humilde, mas numerosa, foi cedida aos seus padrinhos para que pudesse ter uma vida e uma educação melhores.

 

Foi o primeiro livro que li de Michela Murgia, mas tenho de vos dizer que fiquei encantada com a escrita da autora. Bastante poética, mas de uma leitura acessível e viciante. Dei 4 estrelas no Goodreads. Este livro foi, sem dúvida, uma grande escolha para o Net Book Club!

 

Deixo-vos as minhas citações favoritas:

 

«E, no entanto, durante os treze anos que viveu com ela, nem uma só vez Maria lhe chamou mãe, pois as mães são uma coisa diferente.» [p. 15]

 

«Maria não tinha entendido nada, mas concordou à mesma, pois nem todas as coisas se ouvem para serem de imediato percebidas.» [p. 19]

 

«Quem tem juízo sabe que para se receber conselhos é preciso estar desperto, porque cada nova aurora é uma emboscada da qual cada um se deve defender como pode.» [p. 40]

 

«(...) a estupidez não tinha pior inimigo do que ela mesma, e a sua fundamental imprevisibilidade fazia com que ela fosse ainda mais perigosa nos amigos do que nos inimigos.» [p. 74]

 

«Se basta uma perna para fazer um homem, então qualquer mesa é mais homem que tu.» [p. 78]

 

«Ou talvez não se opusesse de qualquer forma, pois para ele era coisa de nada morrer como tinha vivido: sem fôlego.» [p. 103]

 

«(...) Maria tinha percebido que muitas das coisas que acontecem se resumem a imitações das coisas que se pensam (...)» [p. 174]

 

* Este blog é agora afiliado da Wook.

8 comentários

Comentar post