Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Patrícia Lobo

Recomeçar

07.09.15 | Patrícia Lobo

Em pleno Verão, a temperatura deixava muito a desejar, mas isso não impediu Beatriz de sair de casa. Precisava daqueles momentos sozinha. Com o vento frio soprando forte no seu rosto, desejou que ele a levasse para longe. Não pertencia àquele lugar. Disso tinha a certeza.

Dois anos antes, Beatriz instalara-se na cidade do Porto. Foi por amor que abandonou a sua vida numa pequena aldeia nos arredores de Lisboa, os seus amigos e a sua família. Estava apaixonada. Hoje, não tinha tanta certeza disso.

Tiago fora o homem que lhe roubara o coração. O mesmo coração que partira quando ousou levar a sua mão ao rosto de Beatriz, com toda a força. Foi a primeira vez que lhe bateu.

– Desculpa, Bia! Não sei onde tinha a cabeça!

Nessa noite, Tiago estivera a beber e não foi preciso muito para tomar aquela atitude violenta. Beatriz, ainda atordoada, correu para o quarto e só saiu de lá na manhã seguinte. Foi também a primeira vez que ela o perdoou. Perdeu a conta de todas as vezes que ficou com alguma parte do seu corpo negra, depois de ele ter bebido. O homem por quem se apaixonara já não estava ali. Agora partilhava a sua vida com alguém que nunca conheceu e com quem fez juras de amor eterno.

Enquanto caminhava pelas ruas da cidade, Beatriz pensou nas ironias da vida e em como o amor podia ser traiçoeiro. Queria voltar para os braços de Tiago, o antigo, mas por outro lado todo o seu corpo a comandava para longe dele. Quando deu por si estava junto a uma linha de comboio. Continuava frio e ela não se conseguiu aquecer. No fundo da linha, aproximava-se a toda a velocidade o último comboio do dia com destino a Lisboa. Precisava de tomar a maior decisão da sua vida. 10 metros. 2 metros. E o comboio encontrava-se agora parado diante dela. Era pegar ou largar, porque ela sabia que se não entrasse naquele preciso instante nunca mais teria coragem para reverter a situação. 

Beatriz parecia adormecida pelas memórias que lhe assaltavam a mente. O primeiro toque, o primeiro beijo, a primeira noite de amor e tudo o que viveu nestes últimos dois anos em apenas segundos. Não sabia se estava preparada para desistir de tudo.

Os sons de aviso de que o comboio ia partir acordaram-na e a realidade pontapeou-a tão ou mais forte do que Tiago alguma vez o fizera. Foi assim que, num impulso, Beatriz saltou para dentro da carruagem e, mesmo atrás dela, as portas fecharam-se num movimento possante, fazendo-a estremecer.

Foi nesse momento que a sua vida recomeçou.

****

Tema do projecto Palavra & Foto: Com o vento frio soprando...
Outras participações: Nina! || Quinze Fases

11 comentários

Comentar post

Pág. 1/2